sábado, 21 de maio de 2016

22 de maio - Santíssima Trindade

Na celebração da Santíssima Trindade reconhecemos a plenitude do mistério de Deus. 
O Pai que enviou o Filho e com Ele nos enviou o Espírito Santo, é agora adorado e glorificado em sua grande manifestação de comunhão e de amor fazendo-nos participar de sua intimidade divina.


domingo, 8 de maio de 2016

Os quatro dogmas sobre Maria

O Dogma é uma verdade de fé a ser crida.

Maria possui quatro verdades de fé relacionadas a sua vida.

A Constituição Conciliar Lumem Gentium, no número 56, diz: “Para ser a Mãe do Salvador, a Virgem Maria “foi enriquecida por Deus com dons dignos para tamanha função”.

Esses dons ou dogmas referem-se a Maria, em benefício por participar da Encarnação.

Os dogmas são:

1)    Imaculada Conceição: Maria, por ser eleita a Mãe de Jesus e pelos méritos de seu Filho, foi preservada do pecado original. É saudada como a “cheia de graça”.

2)    Maternidade Divina: Maria é Mãe de Deus. A Igreja confessou no Concílio de Éfeso (431), que Maria é verdadeiramente Mãe de Deus (Theotókos).

3)    Assunção: Maria subiu ao cé de corpo e alma: “ A Imaculada Virgem, preservada imune de toda mancha da culpa original, terminado o curso da vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celeste”.

4)    Virgindade Perpétua: Santo Agostinho nos diz que “Maria permaneceu virgem antes, durante e após o parto”. Maria permaneceu virgem no parto de Jesus.

Pe. Lizandro Cardoso Goularte


domingo, 1 de maio de 2016

Maria, Mãe da Igreja


Queridos e Amados Irmãos! 

Sabemos que o mês de Maio é dedicado a celebrar a vocação de nossas Mães. 

Lembramos com muito carinho de sua presença em nossas vidas, com homenagens, presentes e beijos. 

Temos nossa mãe biológica, mas temos também nossa mãe espiritual, chamada Maria. 

Ela recebe vários títulos e o que nos interessa nesse momento é o de Mãe da Igreja. 

Ela esteve com os discípulos no Cenáculo, em dia de Pentecostes (cf. At 2) e presidiu o início da Igreja. 

Maria é a Mãe da Igreja por ser a Mãe de Cristo, Cabeça da Igreja, que é o seu Corpo Místico. 

São Jerônimo diz: “A união de Maria com Jesus, na obra da Redenção, acontece desde a Encarnação até o Calvário”. 

Por ser mãe da cabeça, também é mãe dos membros, que são os batizados. Ela é a mãe de todos os cristãos.

Em 30/06/68, no Credo do Povo de Deus, o Papa Paulo VI disse: “Nós acreditamos que a Santíssima Mãe de Deus, nova Eva, Mãe da Igreja, continua no Céu a sua missão maternal em relação aos membros de Cristo”. 

Maria, como mãe, intercede por todos nós. 

Peçamos a presença de Maria em nossas vidas e a invoquemos sobre todas as nossas mães.
                                 
Feliz Dia das Mães!

Pe. Lizandro Cardoso Goularte


sábado, 23 de abril de 2016

Retiro Bíblico da Animação Bíblica da Vida e da Pastoral


Em 23/04/16 foi realizado na PARÓQUIA N. Sª DAS GRAÇAS, em Canoas, o RETIRO BÍBLICO, promovido pela ANIMAÇÃO BÍBLICA DA VIDA E DA PASTORAL do Vicariato de Canoas, com assessoria dos Padres José Bonifácio Schmidt e Blásio Guido Jacobi e do Diácono Édilon Rosales de Lima, com foco na LEITURA ORANTE DA BÍBLIA e com a finalidade de formar agentes da Animação Bíblica que farão o retiro em suas Paróquias e Comunidades, para todos os serviços pastorais e movimentos.

Estiveram presente diversos paroquianos de Canoas (Par. Sagrado Coração de Jesus, São Luís Gonzaga, Imaculada Conceição, N. Sª de Fátima, Santo Antônio, N. Sª Aparecida, N. Sª da Conceição, N. Sª das Graças, N. Sª do Rosário, Santa Luzia e Par. Militar N. Sª Aparecida), Esteio (Par. Imaculado Coração de Maria) e Sapucaia (Par. N. Sª de Fátima).

A animação musical ficou a cargo de Terezinha e Carlos Wendt, da Par. N. Sª das Graças.

O almoço, oferecido pelo Vicariato de Canoas, foi gentilmente preparado por Francisco e Vera Poeta, Gilberto, Evinha, Pedrinho e Marlene, todos da Par. Santa Luzia.


segunda-feira, 21 de março de 2016

Semana Santa

A Semana Santa, também conhecida como "Grande Semana", ou "Semana Maior", é a última semana da Quaresma, que é o tempo de preparação para a celebração do Mistério Pascal, paixão, morte e ressurreição, de Jesus Cristo. 

A Semana Santa tem início com a celebração do Domingo de Ramos e termina com a celebração da Santa Missa Crismal, também conhecida como Missa dos Santos Óleos. 

Toda a riqueza de símbolos e profundidade teológica na liturgia da Semana Santa prepara os fiéis para viver o Mistério Pascal de Cristo, que é celebrado no "Tríduo Pascal", do qual fazem parte a Santa Missa da Ceia do Senhor, na Quinta-feira, as funções da Sexta-feira da Paixão, o Sábado Santo, a Vigília Pascal, segundo Santo Agostinho a mãe de todas as vigílias, e o Domingo de Páscoa, ou da Ressurreição. 

Toda a Quaresma, da qual faz parte a Semana Santa, tem como finalidade a preparação para a celebração da Páscoa do Senhor, do Domingo da Ressurreição de Jesus Cristo, que se estende por todo o Tempo Pascal e termina com a Celebração da Solenidade de Pentecostes. 

Estes cinquenta dias, desde a Domingo da Ressurreição, até o Pentecostes, também conhecidos como Quinquagésima Pascal, são comemorados como um único dia de celebração da Páscoa do Senhor Jesus Cristo.

domingo, 20 de março de 2016

20 de março - Domingo de Ramos


Com o Domingo de Ramos, iniciamos a Semana Santa.

A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém marca o fim daquilo que Jerusalém representava para o Antigo Testamento e assinala o início da nova Jerusalém, a Igreja, que se estenderá por todo o mundo como um sinal universal da futura redenção.

Na Igreja primitiva a celebração desse domingo focalizava aspectos diferentes: Em Roma, o tema central era a Paixão do Senhor; em Jerusalém, era a Entrada triunfal de Jesus, destacando a Procissão dos ramos.

Atualmente, as duas tradições se integram numa única celebração. Por isso, a celebração começa com o rito da bênção dos ramos, a leitura da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém e a procissão. Termina com a celebração da Eucaristia, com a proclamação da Paixão. Na 1ª parte, nos unimos ao Povo de Jerusalém. A 2ª parte nos introduz na SEMANA SANTA.

Levamos hoje para casa RAMOS BENTOS, como lembrança dessa celebração. 
Não devem ser vistos como algo folclórico, como amuletos da sorte, mas algo sagrado, que levamos para casa como um SINAL visível do compromisso assumido de seguir Jesus no caminho ao Pai.

A presença dos ramos em nossos lares deve ser uma lembrança de que hoje aclamamos a Jesus, como nosso Rei, e que desejamos aclamá-lo durante toda a nossa vida, como nosso Salvador. (B N AGUAS)

sábado, 19 de março de 2016

19 de março - São José



São raros os dados sobre as origens, a infância e a juventude de José, o humilde carpinteiro de Nazaré, pai adotivo de Jesus Cristo, e esposo da Virgem de todas as virgens, Maria. Sabemos apenas que era descendente da casa de David. Mas, a parte de sua vida da qual temos todo o conhecimento basta para que sua canonização seja justificada. José é, praticamente, o último elo de ligação entre o Velho e o Novo Testamento, o derradeiro patriarca que recebeu a comunicação de Deus vivo, através do caminho simples dos sonhos. Sobretudo escutou a palavra de Deus vivo. Escutando no silêncio.

Os teólogos acreditam que José tenha morrido três anos antes da crucificação de Jesus.

Hoje é dia de festa para a Fé. O culto a São José começou no Egito, passando mais tarde para o Ocidente, onde hoje alcança grande popularidade. Em 1870, o Papa Pio IX o proclamou São José, padroeiro universal da Igreja e, a partir de então, passou a ser venerado no dia 19 de março. Porém, em 1955, o Papa Pio XII fixou também, o dia primeiro de maio para celebrar São José, o trabalhador. Enquanto, o Papa João XXIII, inseriu o nome de São José no Cânone romano, durante o seu pontificado